Alquimia
Em árabe ul-kemi é, como o nome indica , a química da natureza. Ul-kemi ou al-kímia, seja como for, é apenas uma palavra arabizada tomada do grego chemeia, de chumos (sumo), suco extraído de uma planta. Diz o dr. Wynn wescott: “ o uso primitivo do termo atual alquimia encontra-se nas obras de julio firmicus maternus, que viveu nos tempos de constantino, o grande. A biblioteca imperial de paris possui o mais antigo tratado de alquimia existente na europa; foi escrito em grego por zózimo, o panopolitano, cerca de 400 anos d.c. O tratado que o segue em antiguidade deve-se a eneas gazeus, 480 anos d.c.”. A alquimia trata das forças mais sutis da natureza e das diversas condições em que operam. .... o alquimista estabelece como primeiro princípio a existência de um certo solvente universal, através do qual todos os corpos compostos podem ser resolvidos na substância homogênea da qual foram produzidos, substância esta que recebe o mome de “ouro puro” ou summa materia. Este solvente, também denominado mestrum universale, tem a virtude de expelir do corpo humano todo germe de enfermidade, de renovar a juventude e prolongar a vida. É o lapis philosophorum ou pedra filosofal. 

A alquimia é estudada sob três aspectos diversos, suscetíveis de interpretações distintas, e que são: o cósmico, o humano e o terrestre. Estes três métodos são representados pelas três propriedades alquímicas: enxofre, mercúrio e sal. ..... alquimia, que é a transformação em ouro dos metais mais grosseiros. Contudo, no que se refere ao que é realmente esse ouro, muito poucos o sabem com exatidão. Não resta dúvida de que existe na natureza uma transmutação dos metais mais vis naquele mais nobre, ou seja, o ouro. Porém este é apenas um dos aspectos da alquimia, o terrestre ou puramente material, pois compreendemos logicamente que o mesmo processo seja executado nas entranhas da terra. 

Contudo, além desta interpretação, há na alquimia um significado simbólico, puramente psíquico e espiritual. Enquanto o alquimista cabalista porcura a realização do primeiro, o alquimista ocultista, desdenhando o ouro das minas, volta toda a sua atenção e concentra todos os seus esforços unicamente na transmutação do quaternário inferior na divina trindade superior do homem, que , quando finalmente se fundem, formam apenas um. 

Os planos espiritual, mental, psíquico e físico da existência humana são comparados, em alquimia, aos quatro elementos: fogo, ar, água e terra, e cada um deles é suscetível de uma constituição tripla, a saber: fixa, variável e volátil. Pouco ou nada sabe o mundo a respeito da origem deste ramo arcaico da filosofia, porém, sem dúvida, é anterior à construção do zodíaco conhecido e, como se relaciona às forças personicicadas na natureza, é também, provavelmente, anterior a todas as mitologias do mundo. Também não há a menor dúvida de que o verdadeiro segredo da transmutação ( no plano físico) era conhecido na antiguidade e perdeu-se antes da aurora do chamado período histórico. A química moderna deve à alquimia seus melhores descobrimentos fundamentais, porém, omitindo o inegável axioma desta última, de que não existe mais que um único elemento no universo, (ver a teoria unificada da física quântica) (se pararmos para pensar que a fonte que tudo é, é uma só, e uma única substância deu origem a tudo que existe no universo e começarmos a juntar todas as informações dos alquimistas, químicos, físicos em sua tentativa de explicar o universo, observarmos como se organiza o universo – galáxias, estrelas, buracos negros, etc. 

E ainda juntarmos como se organiza a matéria infinitamente menor chamada átomos e ainda por cima observarmos toda a mudança estrutural que o eletromagnetismo cria no corpo humano, capaz de reestruturar um órgão, ou seja substituir o que estava doente por um inteiramente novo e saudável)a química classificou os metais entre os elementos e, até hoje, não se deu conta desse erro crasso. ..... .....

A alquimia é a ciência pela qual as coisas podem não apenas ser decompostas e recompostas (como fez a química), mas também sua natureza essencial pode ser transformada e elevada ao mais alto grau ou ser transmutada em outra. A química trata apenas da matéria morta, enquanto a alquimia emprega a vida como fator. Todas as coisas têm natureza tríplice, da qual sua forma material e objetiva é sua manifestação inferior. Assim é que, por exemplo, há ouro espiritual, imaterial; ouro astral etéreo, fluido e invisível, e ouro terrestre, sólido, material e visível. Os dois primeiros são, digamos assim, o espírito e a alma do último e, empregando os poderes espirituais da alma, pode-se produzir mudanças neles, a fim de que se tornem visíveis no estado objetivo. 

Sendo todas as coisas de na tureza tríplice, a alquimia também apresenta um aspecto triplo. No aspecto superior, ensina a regeneração do homem espiritual, a purificação da mente e da vontade, o enobrecimento de todas as faculdades anímicas. No aspecto mais inferior, trata das substâncias físicas e, abandonando o reino da alma viva e descendo à matéria morta, termina na química de nossos dias. ......

A alquimia é um exercício do poder mágico da livre vontade espiritual do homem e, por esta razão, pode ser praticada apenas por aquele que renasceu espiritualmente. (f. Hartmann)

Partes extraídas do glossário teosófio de Helena P. Blavatsky

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mantras Alquimicos